Dores de Campos

Situada a 11 km da BR 265, que liga Barbacena a São João del-Rei, Dores de Campos é a terra do fazer artesanal em couro. Bolsas, pastas, malas, carteiras, calçados, cintos e objetos decorativos ali são produzidos por mãos habilidosas que dominam essa arte. Mas, a “especialidade da casa” é a fabricação de selas e acessórios de montaria que são exportados e enviados para todas as partes do país. Essa produção, que teve início entre os anos de 1835 e 1840, foi crescendo com o lugar e logo ganhou qualidade e fama.

Dores de Campos tem suas origens nas fazendas dos Campos das Vertentes que abasteciam a área da mineração com gêneros alimentícios no século 18. Mas, foi o Arraial da Patusca, surgido no século 19, que deu origem ao município. Em 17 de dezembro de 1938, esse arraial foi elevado à categoria de cidade com o nome de Dores de Campos, uma homenagem à Padroeira, Nossa Senhora das Dores.

Hoje, a produção e o comércio de artigos de couro movimentam a economia dessa ativa e acolhedora cidade. Praticamente, quase toda a população se ocupa dessa atividade. São várias as selarias que empregam boa parte da população e é comum encontrar a atividade, sendo realizada pelos moradores, no quintal da maioria das casas de Dores, produzindo selas e acessórios de todo tipo: rédeas, estribos, baixeiros, freios, cabrestos, barrigueiras, peitorais, mantas, etc. É uma verdadeira alegria para os lojistas do setor, fazendeiros, amantes da moda country e adeptos do Turismo Rural. A cidade abriga também uma grande indústria de equipamentos de segurança (botas, capacetes, luvas, capas, máscaras, etc).

Fora o comércio do couro, que atrai visitantes o ano todo, algumas festas agitam a cidade: o Carnaval, a Semana Santa, a Festa da Padroeira, em 15 de setembro, e o Aniversário da Cidade. A Lira Nossa Senhora das Dores é um precioso patrimônio artístico da cidade. Na paisagem urbana, destaca-se a Matriz de Nossa Senhora das Dores.
As lojas de Dores de Campos funcionam de segunda a sábado, das 8 às 18 horas.

Read More

Artigos para montaria movimentam economia de Dores de Campos, MG

Em uma pequeno barracão de madeira, Antônio Sales mantém um ofício pouco comum há 45 anos. Ele e a esposa produzem as chamadas rédeas de cabelo.

A matéria-prima é retirada do rabo das vacas e com a ajuda da roda de fiar, os primeiros fios ganham forma.

O trabalho é feito por Antônio com muito prazer. Por dia, até quatro dúzias são fabricadas e cada uma é vendida a R$ 180. Para fazer uma rédea, ele precisa de 600 gramas de crina de cores diferentes e muita habilidade.

A trança de cabelo é apenas uma tradição do município que ainda é preservada. Hoje, 85% da população de Dores de Campos vive da confecção de artigos de montaria e do trabalho com o couro.

A história começou há mais de 150 anos com os tropeiros que viviam em Minas Gerais. Em busca de conforto, eles começaram a fazer arreios para montar o animal antes de seguir em longas viagens.

A atividade se profissionalizou e hoje é a maior fonte de renda do município, trabalho que leva um toque de arte.

Nas mãos do entalhador Cleiton Rodrigues, as peças de couro usadas para fazer uma sela ganham desenhos e formas. Apenas com martelo e pregos, ele cria flores, linhas e contornos. Dependendo dos detalhes, Cleiton consegue produzir até 60 peças em um único dia.

A produção média é de 50 mil peças por ano, que são vendidas para várias partes do país e também para o exterior.

No município há 80 selarias como a de Antônio Cardoso. Ele possui 30 modelos diferentes para agradar o cliente. Algumas selas demoram até três dias para ficarem prontas, por isso, ele conta com a mão de obra de toda a família. “É bom porque não temos desemprego aqui. Eu faço isso há 30 anos e por mim não acabaria nunca”, diz.

Read More

Dores de Campos guarda histórias e tradições dos tropeiros

Dores de Campos, na Região das Vertentes, é a típica “cidadezinha” do interior de Minas, pacata, de gente religiosa e muito acolhedora: são 9300 habitantes descendentes de homens que desbravaram a região no lombo de mulas. Foram os tropeiros, dois séculos atrás, que transformaram o antigo povoado Patusca.

“O legado dos tropeiros é um legado econômico e cultural. Dores de campos é o que os tropeiros foram no passado. A nossa economia e toda baseada no couro, na produção de selas e artigos em geral de montaria em função do que esses tropeiros fizeram”, conta o historiador Helbert Aliani Silva.

Os tropeiros de Dores eram comerciantes, eles viajavam vendendo mercadorias, de fazenda em fazenda e até povoados de acesso mais difícil. As tropas que partiam da cidade seguiam para o Sul de Minas e todo interior de São Paulo. No início do século XIX se firmaram como grandes fornecedoras de material para montaria.

Oitenta por cento dos moradores estão ligados à produção. Entre as grandes, médias e as fábricas de fundo de quintal são quase 100 selarias. Em média, 12 mil arreios e selas são vendidos todos os meses. Em uma dessas selarias o Terra de Minas encontrou “seu Rumeo”, um senhor de 77 anos, representante da ultima geração de tropeiros da cidade.

“Eu comecei viajando com meu pai na idade de 12 anos. Sai da escola e comecei a viajar com ele. A primeira viagem que fiz, sem vir em casa, foram oito meses. Depois foi assim, 9 meses, 10… Nós viajávamos com 18 animais, 16 de carga e dois de sela”, conta.

Há pelo menos 50 anos as tropas deixaram de existir em Dores de Campos. Mas a influência dos tropeiros é tão grande que algumas pessoas resolveram, por hobbie criar as próprias tropas.

Read More

Fique por dentro do atual mercado do couro no Brasil

Com mais de 300 curtumes o Brasil é um dos maiores produtores de couro do mundo, mercado que movimenta mais de 6 milhões por ano.

CouroO couro é um material oriundo da pele animal e possui um conjunto de propriedades físicas e estéticas, que proporcionam alta durabilidade e estabilidade em relação à variação da temperatura e umidade dos produtos em que é aplicado. Devido a essas vantagens, o couro está presente na indústria de calçados, mobiliário, automobilística, tapeçaria, vestuário, entre outros. As propriedades do couro são resultados de sua natureza aliadas aos tratamentos químico e mecânico a que é submetido. O processo de curtimento à base de cromo é o mais utilizado atualmente.

Panorama do atual mercado do couro

O Brasil é um dos maiores produtores de couro no mundo. Em 2012, foram mais de R$ 6 bilhões em produção – equivalente a 0,29% do valor total da produção da indústria brasileira de transformação.

São 310 curtumes espalhados pelas cinco regiões do Brasil, com destaque para o Sul, que concentra 149 unidades, e em particular para o estado de Santa Catarina, responsável por 2,9%, do total das vendas de couro no país.

Dos 310 curtumes, 12,8% produzem couro curtido, 17,7%, couro semi acabado e 64,9%, couro acabado. Do total de couro produzido no Brasil, 3,4% é para consumo próprio, 24,8% usado na indústria nacional e 71,4% se destina à exportação.

Lei do couro – A correta aplicação da palavra

Em vigor, a Lei Nº 4.888 tem como objetivo proibir a utilização do termo couro em produtos que não sejam obtidos exclusivamente de pele animal. Essa lei orienta os setores a não utilizarem expressões como “couro ecológico” e “couro sintético”. O não cumprimento dessa legislação constitui crime de concorrência desleal, cuja a pena é detenção do infrator de três meses a um ano, ou multa. Por isso, é importante que o setor calçadista empregue corretamente a palavra couro para evitar problemas com a legislação.

O Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB) lidera um projeto, em nível nacional, chamado Blitz Lei do Couro. Ele tem por objetivo vistoriar a correta aplicação da palavra couro pelos estabelecimentos comerciais. A Blitz já passou por diversos estados brasileiros, inclusive por Santa Catarina, nas cidades de Florianópolis e Balneário

Camboriú. Neste sentido, o CICB elencou algumas dicas que auxiliam na identificação do couro genuíno:

Superfície: O couro possui textura e padrões irregulares, que o diferenciam do material sintético – que tende a ser mais uniforme

Dica! Toque na superfície do produto e perceba se há ou não irregularidade distribuída

Flexibilidade: A elasticidade e resiliência natural fazem parte das características que diferenciam o  couro do material industrializado

Dica! Faça um teste rápido: estique e aperte o produto e perceba se há rigidez.

Etiqueta: É possível identificar na etiqueta a composição do produto e, assim, verificar a procedência do material utilizado para a confecção do mesmo.

Aroma: O couro possui um aroma que o caracteriza, mesmo após todo o tratamento e acabamento dado a ele, para chegar a etapa final de uso

Dica! Sinta o aroma original do couro

Fabricação de couro – Curtumes à base de cromo

Apesar desse tipo de curtume existir há mais de um século e ser o mais popular na fabricação de couro, ainda falta compreensão do mercado em entender o modo de produção e seus benefícios para o couro. É importante que as empresas busquem esclarecimentos com entidades preparadas, que possam fornecer informações a respeito do assunto. O curtimento consiste em um processo de transformação de peles de animais em um material estável, durável e resistente ao ataque de microrganismos. Somente após esse processo, o material leva o nome de couro.

Atualmente, mais de 90% dos couros produzidos no Brasil são fabricados à base do mineral cromo e são classificados como couro curtido (wet blue).

Tipos de Couro

Couro cru: todos os tipos de pele animal (bovina, suína, caprina, ovina e outros) não curtida.

Couro semiacabado (crust): inclui o couro animal (bovino, suíno, caprino, ovino e outros) curtido, recurtido, tingido, lixado ou não, que ainda não recebeu acabamento.

Couro acabado: inclui couro bovino, suíno, caprino, ovino e outros, acabado e pronto para uso.

O cromo, em certas condições, é inofensivo e não traz perigos aos consumidores e ao meio ambiente. A escolha de fornecedores respeitáveis e que sigam as diretrizes básicas

no processo de aplicação, é uma das alternativas para que as empresas mantenham a qualidade do seu produto. A indústria coureira somente utiliza o cromo na forma trivalente, ou seja, no formato em que não há riscos ao ser humano.

Zonas da pele de couro

É fundamental que os profissionais do setor, responsáveis pelo desenvolvimento e produção do calçado, saibam identificar as zonas de pele do couro mais nobres. Assim, é possível garantir o melhor aproveitamento, tanto da matéria-prima trabalhada como do produto final.

O couro

A qualidade, flexibilidade e textura do couro dependem da sua estrutura fibrosa, ou

seja, do entrelaçamento das fibras e do seu processo de industrialização.

O curtidor

O curtidor, responsável pela escolha da parte do couro que será trabalhado, usa sua habilidade para produzir um material com propriedades específicas e que atendam uma finalidade requerida. No caso dos calçados, as solicitações variam bastante, devido à parte superior requerer propriedades específicas de cada marca.

Área Nobre

A zona central da pele é a que apresenta condições favoráveis para a produção

de um couro, com camurça mais aveludada, firme e fina. Esta região apresenta um tecido mais fibroso e compacto, proporcionando um curtido com textura mais firme e com menos tendência a quebras.

Mercado

Atualmente, o couro bovino é o mais empregado na fabricação de calçados, bolsas, carteiras, cintos, malas, entre outros produtos. Porém, a procura por outros tipos de couro tem crescido como a pele de suínos, caprinos, ovinos, jacarés, rãs e peixes.

Classificação de couro – Tipos de defeitos

O Programa de Classificação da Qualidade do Couro (PCQC) tem o desafio de integrar o produtor às indústrias frigorífica e curtidora, orientando-os quanto à qualidade da  produção através do manejo adequado e de um sistema de rastreabilidade da matéria-prima. Esse programa tem por objetivo melhorar a qualidade das peles, para que sejam aproveitadas pelos curtumes e transformadas em couro, sem nenhum tipo de defeito. No Brasil, a maior parte dos defeitos dos couros tem origem no campo, no transporte do animal vivo e no abate, por isso, é necessário que haja programas de conscientização.

Cartela de cores

CLASSIFICAÇÃO DE QUALIDADE DO COURO

1º e 2º – Couros que não apresentam nenhum defeito natural, de manejo (parasitas, escoriações, transporte), de marcação de fogo abaixo da barriga ou na cara.

3º e 4º – Couros que apresentam alguns defeitos devido à incidência de carrapatos, mas não apresentam defeitos abertos, como riscos e marcação de fogo profundo

– Couros com pequenas incidências de carrapatos e escoriações cicatrizadas e riscos leves.

– Couros com incidências de carrapatos, marcas de bernes e moscas do chifre já cicatrizadas.

– Couros que apresentam alta incidência de carrapatos, bernes abertos e riscos profundos

Vantagens da aplicação do couro

São várias as vantagens na utilização do couro. Ele é uma matéria-prima nobre, com durabilidade alta, resistente ao calor, à água, à flexão e à tração. O matéria ainda evita choques elétricos, quando empregado na sola do calçado. Além disso, o calçado de couro se adapta às formas do pé no decorrer do dia, proporcionando maior conforto

Ações recomendadas

Armazene corretamente o couro em prateleiras, com divisórias que variem de acordo com o tamanho e quantidade da matéria-prima. As prateleiras maiores são as mais indicadas para armazenagem do couro

Mantenha a temperatura abaixo dos 25ºC nos estoques onde o couro é armazenado. Assim, é possível evitar a proliferação do mofo e parasitas que possam prejudicar sua qualidade;

Conserve a umidade do ar em 60% e evite a falta de flexibilidade, elasticidade,  Resistência ao rasgamento e mofo. Lembre-se que o excesso/falta de umidade do ar altera as condições do couro;

Cuide com a intensidade da iluminação nos estoques e evite a perda do brilho, da cor e das propriedades físicas do couro;

Acompanhe as notícias e os dados do setor pelo site do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB). O Centro possui uma vasta quantidade de materiais disponíveis, gratuitamente, para acesso. Confira também o ranking das empresas mais exportadoras.

SOBRE A RISA MÁQUINAS E COMPONENTES

A Revista Risa Máquinas e Componentes traz conteúdo relacionado ao setor calçadista, com ênfase nas novidades em equipamentos. Com textos e artigos voltados a empresários e fabricantes de todo o país, a revista circula a cada três meses.

Além de mostrar os modelos que possam servir de inspiração, a Risa Máquinas e Componentes possui um leque de maquinários e materiais que podem ser usados na produção de calçados de qualidade.

O Objetivo da revista é oferecer a quem produz sugestões que resultem em ganhar tempo, produzir melhor, com mais qualidade e beleza. Estratégias de vendas, ideias para agradar aos empresários e dicas sobre atendimento, produção e relacionamento com funcionários também são assuntos em pauta.

A Risa Máquinas e Componentes é a revista certa para o fabricante que busca informações e, consequentemente, o lugar ideal para quem deseja oferecer matéria prima e maquinário de ponta aos produtores de todo o Brasil!

Read More

CSCB: CERTIFICAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE DO COURO BRASILEIRO ESTARÁ EM CONFERÊNCIA DA ONU

A sustentabilidade é um dos fios condutores da 22ª edição da Conferência das Nações Unidas (ONU) Sobre Mudanças Climáticas (COP22), iniciada recentemente em Marrakesh, Marrocos. A Certificação de Sustentabilidade do Couro Brasileiro (CSCB) marcará presença neste grande evento, integrando uma Missão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) com seu titular, Ministro Blairo Maggi. O CSCB é promovido pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), com o apoio do Brazilian Leather, projeto de estímulo às exportações de couros e peles brasileiras desenvolvido pelo CICB em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A participação do CSCB nesta missão conta, também, com o suporte do Brazilian Leather.

Levar o CSCB a importantes públicos presentes à convenção em Marrakesh e, ainda, trazer ao programa novas informações para seu aprimoramento estão na pauta da participação de Rogério Cunha, da Inteligência Comercial do CICB, nesta missão. “Estamos também em contato com empresas e entidades relacionadas ao nosso setor no Marrocos, com agenda de encontros para prospecção comercial”, destaca Cunha. O Marrocos é o segundo maior importador de couros e peles da África e sua aproximação com o CSCB e o potencial da indústria curtidora do Brasil é estratégica para o planejamento das exportações do país.

Após a Missão do MAPA, Cunha participará, em Londres, da conferência Couro e Sustentabilidade no Varejo, promovida pela publicação International Leather Maker (ILM). Nesta atividade estão confirmados representantes de gigantes mundiais como Puma, Grupo Kering e ZDHC (união de 21 grandes marcas mundiais como Burberry, Gap e Adidas, que trabalha pelo zero descarte de químicos).

Sobre o Brazilian Leather – Projeto setorial de internacionalização do couro brasileiro, o Brazilian Leather é conduzido pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB) em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). Várias são as estratégias de consolidação do produto nacional em mercados estrangeiros – incentivo à participação de curtumes nas principais feiras mundiais ligadas ao ramo e missões empresariais focadas ao estreitamento de relações entre fornecedores brasileiros e compradores de outros países são algumas delas. Mais informações em www.brazilianleather.com.br

Read More